Conheça iniciativas inovadoras que dão suporte aos ucranianos

By 15 de março de 2022 Blog, Tendência

A guerra na Ucrânia entra para o vigésimo nesta terça-feira (15) e já contabiliza cerca de 18 milhões de vítimas, de acordo com dados estimados pela Organização Mundial de Saúde. Um drama gigantesco que ainda não dá para mensurar o tamanho do impacto dessa guerra para o mundo nos próximos anos. Mas algumas iniciativas estão se destacando ao utilizar tecnologia e inovação para dar suporte a essas vítimas, e são essas ações que a gente traz na coluna desta semana.

Veja também: Posicionamento das marcas ganham visibilidade durante a pandemia da Covid-19

O primeiro exemplo vem lá da Irlanda. A marca de café Moyee Ireland lançou, um dia após a deflagração da guerra, uma edição especial do produto lembrando a resistência dos soldados ucraninaos de uma das fronteiras, que se recusaram a se render ao ataque russo e acabaram sendo mortos. O pacote dessa edição especial tem 250 gramas, custa quinze euros e o valor total será doado a uma Fundação para Refugiados baseada na Holanda que está ajudando as vítimas ucranianas. Além disso, a Moyee Ireland enviará os lucros de suas vendas para a Cruz Vermelha Internacional.

O segundo exemplo é a plataforma de moda digital DRESSX, que tem sede em Los Angeles, mas foi fundada por empresários ucranianos. A startup criou itens como vestidos, moletom e acessórios virtuais que estão sendo vendidos para arrecadar fundos que serão doados para o Ministério da Defesa da Ucrânia e várias organizações sem fins lucrativos. Os preços dos produtos dessa coleção cápsula chamada “Fashion for Peace” variam entre 25 e mil dólares.

Startup DRESSX criou itens virtuais para arrecadar fundos

Já a plataforma voltada para produtos artesanais Etsy está cancelando as taxas para todos os vendedores na Ucrânia e ainda abrindo a possibilidade de consumidores de todo mundo apoiarem os artistas do país comprando seus arquivos digitais. Para encontrar esses designers, os usuários definem a Ucrânia no filtro “vendedor baseado em”. 

Outra iniciativa inovadora veio da startup alemã The Female Company, que além de doar 10 mil caixas de absorventes menstruais para refugiadas ucranianas ao longo da fronteira, atendeu os pedidos das clientes e abriu um espaço em sua loja virtual para que elas possam contribuir comprando produtos com descontos que serão enviados semanalmente para as vítimas da guerra. A The Female Company está trabalhando com outras startups sediadas em Berlim que estão doando produtos e serviços .

The Female Company doou 10 mil caixas de absorventes para refugiadas ucranianas

Casa e transporte

O Airbnb está oferecendo alojamento gratuito para cem mil refugiados da Ucrânia. As estadias de curto prazo serão financiadas pela própria plataforma, por doadores que queiram contribuir ou por anfitriões que queiram disponibilizar seus espaços gratuitamente. Esta não é a primeira vez que a empresa está ajudando a abrigar refugiados – nos últimos cinco anos, o Airbnb.org e seus parceiros forneceram moradia temporária para mais de 54 mil refugiados e asilados da Síria, Venezuela, Afeganistão, entre outros.

Um outro exemplo vem das empresas de trem e de telecomunicações. Os trens que operam na Europa estão transportando refugiados ucranianos gratuitamente. Tudo que eles precisam fazer é mostrar o passaporte e escolher um destino entre Polônia, Alemanha, Áustria, República Tcheca, Eslováquia, Hungria, França, Bélgica, Holanda e Dinamarca. Já as empresas de telefonia estão oferecendo chamadas gratuitas para a Ucrânia.

Veja também: Design Inclusivo: as inovações que estão ganhando mercado

Além de empresas, há também movimentos liderados por pessoas físicas para colaborar com as vítimas da guerra. É o caso do Ukraine Tech Collective, criado pela britânica Emma Heap para dar suporte aos desenvolvedores ucranianos que não estão conseguindo mais trabalhar e consequentemente não estão recebendo salários das empresas de softwares que os contrataram. A ideia do coletivo é criar uma rede colaborativa com desenvolvedores de todo mundo que possam entregar os trabalhos assumidos pelos ucranianos. Em troca, as empresas continuam pagando os salários aos profissionais que não estão podendo trabalhar por causa da guerra. Um outro exemplo é de cidadãs brasileiras que moram na Europa e estão abrindo as portas de suas casas para abrigar refugiados da Ucrânia . São pessoas que se voluntariaram nas estações de trem citadas acima para acolher famílias que tiveram de deixar tudo para trás para não morrer! É uma grande corrente de solidariedade.

Fale com a Mescla

Para saber como a Mescla pode te ajudar, entre em contato através do nosso Whatsapp clicando aqui.  E se quiser receber a nossa mistura mensal de tendências e inovação, é só assinar a news.