A ascensão do skincare acessível e democrático

By 3 de junho de 2021 Blog, Curadoria, Radar

Desde o início da pandemia da COVID-19, os temas sobre autocuidado, saúde e bem-estar estão em alta. As pessoas passaram a se preocupar mais com cuidados e adotaram períodos de relaxamento para sair da rotina do isolamento. Esse novo comportamento do consumidor foi favorável para o crescimento do consumo de produtos faciais. Uma maneira mais leve e acessível de combinar conforto e cuidado em um só momento.  Segundo o Google, a pesquisa pelo termo “skincare” cresceu 100% em julho de 2020

Veja Também: As inovações na busca por saúde mental

De acordo com a pesquisa de mercado do Euromonitor International, o Brasil é o quarto maior mercado de beleza e cuidados pessoais do mundo. Só em 2019, antes de todo o boom da pandemia, o esse mercado atingiu a marca de U $29 bilhões no país. Um outro ponto que precisa ser observado é que o Brasil se destaca em lançamentos, sendo o terceiro em produtos lançados no mercado global, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da China. 

Nesse contexto, as marcas têm desenvolvido produtos com o objetivo de serem acessíveis, com uma rotina rápida de uso, seguras para todos os tipos de pele e, claro, que entreguem resultados em um curto espaço de tempo.

Pelo mundo

TULA, foto por @chi.efobi

Um primeiro exemplo é a marca de cosméticos nativa digital dos Estados Unidos, Tula Skincare, que está apostando na diversidade dos consumidores. Por isso, em abril deste ano, lançou a campanha #EmbraceYourSkin para promover a inclusão do tom de pele, positividade do corpo, beleza natural e eterna. 

Já a tradicional Vaseline, da gigante Unilever, decidiu ir além e lançou, no final do ano passado, a campanha “Equitable Skin for All”. A ação promove a igualdade em cuidados com a pele através de uma plataforma que tanto educa profissionais para lidar melhor com peles latinas e negras, como também conecta consumidores a esses médicos que possam a entender melhor suas necessidades específicas.

Aqui no Brasil

Um case de inovação interessante por aqui é da Sallve, que é uma marca nativa digital. O grande diferencial da empresa é a co-criação com seus consumidores, o que é fantástico especialmente se considerarmos a diversidade brasileira. Além disso, ela também tem a proposta de ser um espaço para troca de informações, onde é possível compartilhar experiências, desejos e ser um local para testes e opiniões sobre os produtos. 

Produtos Sallve

Na mesma linha, um outro exemplo é Creamy, marca brasileira que levanta a bandeira da democratização dos cuidados com a pele, e trabalha com valores realmente acessíveis, com  rotinas sem muitos produtos.  Já  PinkPerfect aposta em uma máscara de argila rosa, e promete resultados incríveis com aplicações de 10 minutinhos por dia. 

Veja Também: Indústria da beleza investe no conceito de desperdício zero

Para além do skincare, todas essas marcas trabalham o objetivo de tornar esses momentos de cuidado acessíveis para todos, abordam questões de gênero, raça, tipos de pele e os ideais de beleza inalcançáveis. Prezam por criar espaços seguros e leves para quem desejar participar.