As profissões do novo século

By 3 de fevereiro de 2020 Blog

Se anos atrás profissões como medicina, direito, engenharia e arquitetura eram as mais buscadas e desejadas por jovens e adultos, hoje existem profissões que são ou serão necessárias daqui para a frente no mercado de trabalho. Recentemente, o LinkedIn divulgou, pela primeira vez, uma lista das 15 profissões mais promissoras para 2020, construída com base em informações extraídas da própria plataforma. O que não deve ser surpresa é que das 15, 13 dessas profissões estão ligados à área da tecnologia. O top 5 do LinkedIn são Gestor de redes sociais, Engenheiro de cibersegurança, Representante de vendas – só que agora ele precisa entender de tecnologia, conhecer estratégias ativas e passivas de marketing e saber mapear as necessidades do cliente mais adequado antes de abordá-lo -, Especialista em sucesso do cliente e Cientista de dados. Algumas dessas profissões já estão em alta e outras estão começando a ficar mais conhecidas agora.

No entanto, o estudo do LinkedIn é baseado no crescimento da procura na plataforma entre 2015 e 2019, mas existem outras profissões que estão emergindo no mundo, especialmente dado ao avanço tecnológico, que criam novas atividades ou transformam outras já existentes, como é o caso dos gestores de comunidades, que são os responsáveis por engajar um grupo de pessoas que tenham um objetivo em comum a fim de estimular a geração de conhecimento. Outros dois exemplos de carreira que já existem e estão em expansão é o Design de talentos, que aprimora os talentos de cada pessoa com o objetivo de desenvolver habilidades únicas que possam colaborar em projetos complexos; e o Especialista em diversidade, que auxilia marcas a incluir as minorias no processo para desenvolver soluções mais completas.

Outras atividades ainda estão um pouco distante, mas já se demonstram necessárias, uma vez que hoje as pessoas estão vivendo mais e em breve o Brasil vai ter mais gente acima dos 60 do que abaixo dos 14, são elas:

  • Criador de sentidos – devido ao volume gigantesco de informação e de cenários complexos, a habilidade de ligar fragmentos, cruzar conhecimentos e dar origem a algo novo vai ser bastante valorizado;
  • Curador de memórias pessoais – as pessoas vivem mais, mas o processo de envelhecimento ainda leva a perda de memória e este profissional ajuda a combater esta perda fazendo uma curadoria das melhores lembranças para mantê-las ativas no cérebro, utilizando tecnologias como realidade virtual;
  • Walker Talker – a volta das damas de companhia, mas desta vez para ajudar a proporcionar melhor qualidade de vida aos idosos.

As pessoas precisam ficar atentas também que o desenvolvimento tecnológico vai automatizar todos os trabalhos que exigem esforço repetitivo, o que vai exigir que os profissionais criem novas habilidades para permanecer no mercado. Um exemplo é a telemedicina, que é uma área que já existe e vai crescer muito ainda em todo mundo. Ou seja, as especialidades médicas chegarão a qualquer lugar graças a tecnologias como sensores vestíveis, videoconferências e tecnologia 5G. Os grandes desafios hoje no Brasil são a regulamentação e a formação de profissionais que estejam alinhados com as tecnologias.

 

Outro exemplo são os chefs de cozinha, que vão precisar elaborar receitas que promovam saúde e energia para o corpo, sem prejudicar o meio ambiente. Alimentação próxima e limpa são palavras de ordem! E o educador de adultos, que sai do papel de professor como se conhece hoje em dia e passa a ser um curador de conteúdo e de experiências. Ele precisa se posicionar como um facilitador do processo de aprendizagem que vai estar em constante evolução. Já os educadores infantis devem ajudar as crianças a descobrir seus potenciais e desenvolver as habilidades do século 21, como engajamento social, resolução de problemas complexos, criatividade, imaginação, entre outros…

Segundo o Fórum Econômico Mundial, 65% das crianças em idade escolar hoje vão exercer profissões que ainda não existem. Então, vale a reflexão: Como podemos prepará-las para o mercado?